Arquivo para setembro \29\+00:00 2008

A BRUXA ESTÁ SOLTA!

       A Bruxa andou solta para o time do Rebeldiões na tarde desse Domingo, no campo da Rio Sport Center. Com duas baixas (Renas Maravilha e Ponzio) por lesão e abalado psicologicamente, os rebeldes sucumbiram diante da forte equipe da Ponte Preta pelo placar de 8×5.

       A partida começou disputada, com chances para ambos os lados até o time Ponte Preta abrir o placar numa jogada rápida do seu atacante. E, logo depois, conseguiu abrir vantagem de 2×0. Mais ligados em campo, os rebeldes diminuíram com o camisa 7, Renas. Porém, em outra bobeira coletiva, tomaram o terceiro gol da equipe alvinegra.

       Sem desistir, o Rebeldiões foi buscar o empate com mais um gol de Renas e outro do meio campo Emiliano, ambos com belas assistências do camisa 10, Biel. Com o empate em 3×3, o jogo ficou aberto e muito bem disputado até vir à primeira baixa alviverde. Num lance fortuito, Renas Maravilha girou o corpo para chutar a gol e a sua perna ficou presa no gramado. Com uma grave torção no joelho, o artilheiro rebelde teve de ser substituído e encaminhado à emergência mais próxima.

       No intervalo, com a partida ainda empatada, o treinador do Rebeldiões resolveu substituir o meio campo Emilliano pelo camisa 12, Ponzio, na tentativa de imprimir mais velocidade ao jogo. No entanto, no seu primeiro toque na bola, o jogador alviverde foi atingido com força ocasionando mais uma torção de joelho.

       Atônitos com tamanha “má sorte” no jogo, o Rebeldiões, sem jogadores reservas para a posição de defesa, não aguentou a pressão da excelente equipe da Ponte Preta e o placar terminou 8×5 para o time alvinegro.

        Agora, com o departamento médico lotado de jogadores, o Rebeldiões vai buscar na força do conjunto mais motivação e garra para o próximo amistoso.

TRADUÇÃO MAIS SINGELA…

 

Em um jogo muito disputado e de bom nível técnico, Rebeldiões e Santa Marina empataram pelo placar de 6×6 no campo da Rio Sport Center, Sábado passado. Com isso, os rebeldes seguem a sua preparação para a disputa da Superliga.

Após abrir 3×0 no placar, o Rebeldiões não conseguiu segurar o ímpeto da jovem equipe adversária e cedeu o empate por 3×3. Na segunda etapa, o placar foi se alternando até o resultado final de 6×6. Destaque para o camisa 7, Renas Maravilha, autor de três gols.

Seguindo com a série de amistosos visando o melhor entrosamento, o Rebeldiões vai disputar mais um amistoso, no próximo Domingo, contra a equipe do Solaris. A partida será realizada no mesmo campo da RSC e começará a partir das 12:30h.

 

 

O site do Rebeldiões gostaria de homenagear os jovens compositores de Sambas Enredo Renan Brandão, Marcos Moniz, Machado e Marcelo Nunes por mais um MARAVILHOSO trabalho realizado esse ano na tentativa de resgatar a alegria no samba da Estação Primeira de Mangueira.

Com uma bela canção que dizia “Eu sou a força da paixão, que cresce na dor… Avante Mangueira!” os humildes compositores tentaram mais uma vez reparar as injustiças do dois últimos anos, quando foram preteridos pelos jurados. Mesmo sabendo das adversidades, animaram muita gente nos sábados de alegria e carnaval na quadra da verde e rosa.

Fato é que, mais uma vez, a justiça não foi feita e a eliminação do samba do nosso amigo Renas e de seus companheiros foi um duro golpe do qual ninguém esperava. E não vai valer a pena ficar arrumando pretextos para uma disputa onde todos também sabem que o melhor não vence.

Renas Cabeção Maravilha, saiba que a família Rebeldiões está com você e sempre lhe apoiará nessa luta e nesse seu sonho que um dia chegará com CERTEZA!

E lembre-se sempre: “EU SOU A FORÇA DA PAIXÃO, QUE CRESCE NA DOR…”.

SÁBADO PROMETE

       

         Após a boa campanha na Copa CBT, o Rebeldiões entrou em regime de concentração total para a disputa do campeonato mais importante do ano, a Superliga Série A.

        O presidente Léo Raça corre contra o tempo para marcar algum amistoso. Mas, até lá, os jogadores alviverdes ficarão em EXTREMO regime de concentração. Todos estão obrigados a comparecer na quadra da Mangueira para prestigiar o compositor Renas Maravilha, beber muita cerveja gelada e olhar as mulatas serelepes.

       

REBELDIÕES x SANTA MARINA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

       Depois de folgar na última semana, o Rebeldiões corre em busca do aprimoramento técnico-tático da equipe. O treinador Pudim de Leite Ramos, enquanto se delicia com os seus Danoninhos de estimação, estuda a melhor formação do time para a batalha de pontos corridos da Superliga Série A.

        E numa agilidade impressionante, nosso presidente conseguiu marcar um amistoso contra a equipe do Santa Marina, Sábado, às 16:40h no campo da academia Rio Sport Cente, na Barra.

        Será um excelente teste para a equipe do Rebeldiões readquirir o condicionamento físico e o entrosamento antes da Liga.

 

REBELDIÕES OU NÃO, PRECISAMOS DA AJUDA DE TODOS!

 

       

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

         Como muitos sabem, nosso amigo e camisa 7 do Rebeldiões, Renas Maravilha, está disputando o concurso de Sambas Enredo da Mangueira.

        Terceiro colocado em 2006 e Vice-Campeão no ano passado, o jovem compositor rebelde tem grandes esperanças de realizar uma conquista pessoal sonhada a tempos. E, para isso, ele precisa da ajuda dos amigos.

        Os jogadores do Rebeldiões estarão lá para prestigiá-lo e curtir uma boa noite de samba. Renan Woody Toy Story convida a todos para uma bela noite de samba.

        Faltam cinco sábados e sete sambas estão na disputa. A diferença entre a vitória e a derrota será a capacidade de contagiar o público e os jurados. E isso, depende demais dos meus amigos na quadra! Conto com a presença de todos! – disse Renas, com exclusividade para o site do Rebeldiões.

        Renan vai disponibilizar um ônibus para a torcida comparecer a festa. O ônibus tem saída marcada as 22h na estrada do Pau-Ferro com preço de apenas R$10 (Ida, volta e ingresso inclusos).

        As vagas no “Mangueira Bus” são limitadas e para maiores informações  é só entrar em contato com o próprio Renan Brandão através do telefone 9373-3111. E para quem quiser uma “palhinha” do samba para ir treinando e chegar afiado, é só acessar o site
http://www.sidneyrezende.com/noticia/15618.

 

MUITO OBRIGADO!

 

CONTAMOS COM A PRESENÇA DE TODOS!

 

“EU SOU A FORÇA DA PAIXÃO

QUE CRESCE NA DOR… AVANTE, MANGUEIRA!

EM VERDE E ROSA EU VOU

EXALTAR A NAÇÃO BRASILEIRA”

REBELDIÕES VALENTE E GUERREIRO!

 

        Foi um Domingo especial. Dispostos a qualquer sacrifício para conquistar a Copa CBT, os jogadores do Rebeldiões abdicaram de um dia inteiro ao lado das namoradas, esposas e lanchinhos da madrugada para honrar com muita raça o glorioso manto alviverde.

        Após quase 10 horas de disputa, infelizmente os rebeldes caíram mais uma vez nas semifinais. Todos saíram tristes pelo injusto resultado do último jogo, mas, ao mesmo tempo, ficou o sentimento do “dever cumprido” e que estaremos muito mais fortes para a disputa da Superliga.

       

        Abaixo, uma pequena resenha de cada jogo do Rebeldiões.

                

         A trajetória do Rebeldiões na Copa CBT começou logo contra o time da casa e organizador do torneio, Phoenix. Prevendo dificuldades comuns de qualquer estréia, como a torcida contra e o forte calor que fez na Arena da Bola, os rebeldes se concentraram ao máximo e partiram com tudo para realizar uma grande partida.

        Com excelente toque de bola e disciplina tática, o alviverde não encontrou dificuldades e, com gols do capitão Vini e do meio-campo Léo Rato, abriu 2×0 no placar. Perdido em campo, e quase tomando mais gols, a equipe anfitriã se descontrolou e tentou intimidar os jogadores rebeldes com entradas extremamente grosseiras e de muita violência. Ainda no primeiro tempo, o Phoenix teve um jogador expulso, após o mesmo dar uma cotovelada por trás na nuca do camisa 11 Rodolfo, e outro advertido com o cartão amarelo por ofensas ao árbitro.

        Na volta do intervalo, os donos da casa mesmo jogando com um homem a menos, ainda conseguiram diminuir para 2×1 após um chute que desviou e enganou o arqueiro Baianinho. Mas, demonstrando maturidade, o Rebeldiões não se intimidou e encheu as redes do Phoenix de gols. Biel, Emilliano e Ponzio (2) decretaram a vitória maiúscula do Rebeldiões sobre o violento Phoenix.

        Atordoados, os jogadores do adversário partiram pra violência, principalmente sobre o camisa 12, Ponzio, que sofreu com trombadas, braçadas no rosto e pisões mesmo caído no chão. Tudo isso com a conivência do árbitro que aplicou apenas mais um cartão amarelo.

        Final da bela estréia rebelde, 6×2 para a equipe que desde o começo entrou pra jogar FUTEBOL.

        Após o empate entre Brow e Juventus, o Rebeldiões terminou a primeira rodada na liderança do grupo Alfa precisando apenas de mais uma vitória para conseguir a classificação. E foi com esse pensamento que os rebeldes entrariam em campo para a segunda rodada contra a forte Juventus.

       

 

        Após uma bela macarronada proporcionada pelo presidente Léo Raça e pelo treinador Pudim de Leite Ramos, os jogadores do Rebeldiões foram para a partida bem alimentados e com mais fome de bola para encarar o adversário mais temido da primeira fase.

Determinados a anular as principais armas ofensivas do time da Juventus, o Rebeldiões começou o jogo com a mesma determinação tática imposta nos últimos confrontos contra o rival. A marcação cerrada na defesa e saídas rápidas pelas laterais do campo.

O duelo começou num ritmo muito forte, com a equipe alvinegra tomando a iniciativa e os rebeldes armando um verdadeiro “ferrolho” alviverde. Tanto que o primeiro tempo não teve grandes chances de gol para nenhuma das duas equipes, um fato inédito.

O incrível resultado de 0x0 da primeira etapa deixou todos os presentes curiosos com o que poderia acontecer no segundo tempo. A Juventus, sempre atacando mais, conseguiu abrir o placar após uma sensacional repetição de chutes bloqueados pela defesa alviverde. Depois de um verdadeiro bombardeio contra a meta rebelde, o time alvinegro abriu 1×0. A comemoração dos jogadores foi tão efusiva que parecia uma final de campeonato.

Mas, quem achou que o aguerrido Rebeldiões estava morto, se enganou. Após algumas chances desperdiçadas pelos rebeldes, a Juventus cometeu a sexta falta o que, segundo o regulamento previa, culminou num pênalti a favor do alviverde.

Como diz o celebre frase “Pênalti é tão importante que deveria ser batido pelo presidente do clube”, o nosso presidente e camisa 8, Léo Raça, não titubeou e com grande categoria empatou o eletrizante jogo em 1×1.

Sem dúvida uma das melhores partidas do torneio e que ainda não estava decidida.

 

 

 

 Mas, quando faltava pouco para acabar, a derrota do Rebeldiões se concretizou.

Após uma roubada de bola, o jogador Buiú saiu cara a cara como goleiro rebelde Baianinho, que não teve outra alternativa a não ser cometer uma penalidade máxima. Pênalti a favor da Juventus, Baianinho fora com o cartão amarelo, um jogador de linha a menos e o capitão Vini improvisado como goleiro.

O Rebeldiões conseguiu segurar a poderosa Juventus durante 29 minutos. Em menos de um minuto, pênalti convertido e, na saída de bola, um chutaço indefensável para o “arqueiro” Vini. Final, 3×1.

Na saída os jogadores do Rebeldiões estavam exaustos e desolados com derrota nos minutos finais. Alguns momentos da partida foram relembrados de forma mais áspera, mas, minutos depois, todo o grupo se uniu e voltou às atenções para a importante partida contra o Brow onde só a vitória interessava.

A partida contra o bom time da Ilha do Governador foi encarada como um “divisor de águas” pelo Rebeldiões. Como só a vitória classificaria o alviverde para as semifinais, perder significaria mais uma eliminação precoce no ano de 2008. Mas, se ganhasse, os rebeldes continuariam vivos para buscar o título que representaria o resgate da honra e a grana que bancaria a festança de fim de ano.

Porém, antes do jogo, um desfalque de última hora. Alegando problemas particulares, o capitão e xerife Vini pediu dispensa da partida. Assim, Doug e Negão formariam a dupla de zaga titular. E o jogo contra o Brow começou bem tenso, com as equipes lutando a todo custo pela posse de bola. Precisando da vitória, os rebeldes tomavam mais a iniciativa de atacar. E num lance despretensioso, Léo Raça cobrou rápido um lateral para Léo Rato abrir o placar. Rebeldiões 1×0.

Com o gol, o alviverde deixou a defesa bem postada e iniciou a tática dos contra-ataques. E o Brow partiu pra cima bombardeando a meta do Rebeldiões. Resumindo a história do jogo: Da metade do primeiro tempo até os cinco minutos finais, a equipe da Ilha atacou de forma impiedosa e os rebeldes seguiam seguros na defesa.

Até que Emiliano partiu pela esquerda e deixou Rodogordo na cara do gol para aumentar o placar a favor do Rebeldiões. O tento foi uma ducha de água fria para o Brow que diminuiu o ritmo e ainda viu o camisa 10, Biel, marcar um golaço decretando a vitória e a classificação do Jacaré alviverde para as semifinais.

Muita festa rebelde com a classificação dramática e o excelente resultado diante de uma boa equipe como a do Brow.

Enfim o momento mais esperado do dia chegou. Depois de uma maratona de jogos, as semifinais estavam decididas. Juventus x The Dons e Blackout x Rebeldiões iriam duelar para ver quem seria o verdadeiro campeão.

 

 

Após o jogaço entre Juve x Dons, onde a partida só foi decidida nos pênaltis a favor dos colorados, o Rebeldiões entrava em campo contra o único representante da organização do torneio.

Bem mais desgastados fisicamente, os rebeldes começaram a partida tentando abrir o placar para jogar com mais tranqüilidade. E o Blackout tentava ganhar as jogadas no maior vigor físico de seus jogadores. O jogo estava bom para os rebeldes até que, numa bobeira geral, o time da casa conseguiu abrir o placar após uma jogada de escanteio. Com o gol sofrido, o Rebeldiões acordou e partiu pra cima atrás do empate. Após lances perigosos para ambos os lados, o primeiro tempo terminou 1×0 para a equipe do Blackout.

No intervalo, todos estavam confiantes de que era possível virar o jogo e conquistar a vaga para final. Tentando aumentar o poder ofensivo e as jogadas aéreas, o treinador Pudim de Leite Ramos colocou Renas Maravilha no ataque. O camisa 7 fazia suas estréia na Copa CBT, já que estava em casa compondo poesias para o mestre Jamelão.

A partir daí, o Rebeldiões controlava totalmente as ações da partida só que a bola teimava em não entrar. Foram duas bolas na trave, chutes passando rente ao gol e belas defesas do goleiro do Blackout que impediram o empate alviverde. Até que veio o lance crucial do jogo.

Numa disputa inteiramente limpa, o árbitro, que até então vinha fazendo um campeonato bastante regular, assinalou uma falta do jogador Gaúcho. O volante rebelde roubou uma bola no ataque e iria cara a cara para o gol do Blackout. Inconformado com a injusta marcação do juiz, Gaúcho perdeu a cabeça e questionou a arbitragem. Para piorar a situação, o jogador recebeu cartão amarelo e ficaria dois minutos fora. A partir daí mais lances estranhos aconteceriam.

A mesa, responsável pela contagem dos dois minutos, segurava ao máximo o atleta rebelde para retornar ao gramado. Sem dúvida, o Rebeldiões jogou mais de 3 minutos com um jogador a menos. E, dentro de campo, o juiz “minava” o time alviverde com faltas seguidas. Quando aconteceu o segundo gol do Blackout, a equipe desanimou frente à diferença de dois gols e ao imenso cansaço físico.

Quando o camisa 12 Ponzio sofreu uma falta, os jogadores rebeldes, assim como o juiz, notaram que era a sexta falta do Blackout. Léo Raça chegou a pegar a bola e colocar na marca do pênalti. Só que a mesa interveio mais uma vez.

Os responsáveis pela contagem das faltas disseram, para desespero do Rebeldiões, que o time alvinegro tinha feito apenas quatro infrações. Aí vieram mais dois gols do Blackout (Um após a “sexta” falta do RBD) e a chance de disputar a final iria por água abaixo. Renas Maravilha ainda descontou para 4×1.

A eliminação rebelde, até certo ponto, foi justa. A equipe do Blackout, que viria a conquistar o título mais tarde, é muito boa e ganhou com méritos. Mas, foi duro de engolir comentários irônicos do tipo “O juiz está apitando direitinho”, “Nós da mesa estamos contando as faltas e só vimos quatro”, “Se ficar reclamando vai ficar mais dois minutos de fora”, “Time de fora não vai ganhar nada aqui”, etc… Isso tudo de pessoas diretamente envolvidas na organização do torneio.

 

 

Enfim, o saldo foi positivo. Uma eliminação precoce acabaria de vez com ânimo dos rebeldes para a disputa da Superliga e o título impulsionaria a equipe para essa incrível disputa que está por vir. Cair nas semifinais, após golear o time da casa, a excelente equipe do Brow e fazer um jogo duríssimo contra a supercampeã Juventus, ficou de bom tamanho e ainda deixou mostras de como é determinante e guerreira essa equipe rebelde.

Ficou provado que o Rebeldiões está mais vivo do que nunca!

 

“Mais unidos do que nós? NUNCA SERÃO!”

MAIS UMA DERROTA NO DETALHE!

        

 

 

 

        Em mais um jogo bem disputado, onde a garra e a valentia dos rebeldes não foram suficientes para alcançar o resultado positivo em cima da campeã Juventus, o Rebeldiões finalizou sua participação na Liga Challenger com a terceira derrota em três jogos.

        O jogo começo num ritmo bastante forte por parte da equipe alvinegra, mas quem saiu na frente foi o Rebeldiões num contra-ataque rápido finalizado pelo capitão Vini. Com a vantagem no placar, os rebeldes se fecharam na defesa na tentativa de evitar as triangulações da Juventus. Mas, após uma cobrança de falta bem ensaiada, o time alvinegro conseguiu o empate.

        Sem se abalar, o Rebeldiões continuou bem postado na defesa e jogando no erro do adversário. E numa boa jogada do meio-campo Emiliano, o alviverde ficou novamente na frente, 2×1. A partida continuou quente, com chances para ambas as equipes, até que, num descuido do time rebelde, a Juventus conseguiu fazer sua jogada característica, a triangulação pelo meio, e empatou novamente em 2×2        No intervalo, um pouco abalado pelo empate, o Rebeldiões tentou arrumar o time na base da conversa. Só que, a Juventus voltou arrasadora para o segundo tempo e aproveitando-se da apatia dos jogadores rebeldes, conseguiu alterar o placar para inacreditáveis 5×2.

        Achado que a “fatura” já estava liquidada, a Juventus se limitou a tocar a bola de lado e esperar o jogo acabar. Foi aí que o Rebeldiões cresceu e numa incrível demonstração de raça e amor a camisa, partiu pra cima com tudo pra buscar o empate. Com dois gols do excelente Léo Raça e um do atacante Rodolfo, o que parecia impossível aconteceu. Jogo empatado em 5×5.

        Com chances para virar o jogo, os rebeldes se perderam nas substituições mau feitas (Lembrando que o treinador Pudim de Leite estava ausente) e esfriaram totalmente o ritmo frenético que estavam impondo sobre a Juventus.

        E a “cascuda” equipe alvinegra matou o jogo em dois contra-ataques e garantiu de forma inquestionável o título da Liga Challenger com o placar de 7×5.

        Para o Rebeldiões, restou lamentar a última colocação no torneio com três derrotas em três jogos. Mas, fica e esperança de dias melhores diante do futebol apresentado perante equipes fortes e tradicionais.

        No próximo Domingo, os rebeldes irão enfrentar a maratona da Copa CBT onde irá enfrentar na primeira fase a mesma Juventus, a dona da casa Phoenix, e o Brow.

        Vamos ver no que vai dar!


Contador

  • 16.965 visitas